fbpx

Base: Os pilares do Marketing Digital mediante a constância das mudanças de cenários

Para que qualquer estratégia de Marketing obtenha sucesso, o Marketing Digital deve ser um dos pontos de partida para o planejamento de uma empresa, sobretudo nesses tempos de crise ocasionado pelas questões ligada à pandemia  de covid-19.

Por outro lado, isso acaba se tornando uma tendência para os novos tempos do mercado, e ignorar essa realidade pode acarretar problemas, como a queda de indicadores, ou mesmo manter seu empreendimento estagnado. Entretanto, essas estratégias precisam estar moldadas e bem fundamentadas em pilares. Sem esses pilares, fica difícil ter resultados satisfatórios.

Mas, quais são esses pilares? 

É isso que explicaremos a seguir neste post. Por isso, fique até o fim! 

Como profissionais de Marketing, não há nada mais enriquecedor e que proporcione satisfação profissional como dar uma alavancada nas estratégias e conseguir os melhores resultados para nossos parceiros e clientes. Por isso, escrevemos aqui medidas a serem analisadas e seguidas  por aqueles que, como você, precisam de um norte nos negócios. 

Sabemos que, se um negócio para, nem todas as empresas possuem conhecimento prévio  necessário para enfrentar esse problema. Não seja esse o seu caso, certo?   

Bons trabalhos geram crescimentos satisfatórios, e em muitos casos, voltar ao básico pode ser uma ideia interessantes, pois além de  proporcionar uma análise estrutural da estratégia, pode possibilitar um menor custo.  

Em meio à busca por táticas de Growth avançados, fórmulas mirabolantes e estratégias diferentes, muita gente se esquece dos aspectos fundamentais do Marketing Digital. Nesse caso, “Back to basic”!

Fique atento e pergunte-se: Sua estratégia ainda contempla as práticas mais simples, prioritárias e básicas?

A rápida evolução tecnológica, ferramentas, novos algoritmos fazem com que  o ato de pensar no que há de mais novo se torne uma ação comum, quase que instintiva, de estar à vista e dar as caras no mercado cada vez mais competitivo. Afinal, quem não quer ser pioneiro e proporcionar o melhor aos seus  parceiros e clientes, não é mesmo? Mas, muitas vezes, acaba que acabamos deixando de lado o que realmente ajuda a construir resultados sólidos.

Por isso, respire!

Pode ser a hora de repensar sua estratégia, reavaliar e passar novamente por cada um dos conceitos iniciais e mais importantes do Marketing Digital, passo a passo!

Neste post, trataremos os 10 aspectos fundamentais do Marketing Digital. São eles:

  1. Monitoramento de resultados
  2. Identidade de marca
  3. SEO on page
  4. SEO off page
  5. Persona atualizada
  6. Sites responsivos
  7. Mobile First Index
  8. Otimização dos conteúdos
  9. Marketing de Conteúdo
  10. Estratégias a partir de buscas

 

Vamos?

1. Monitoramento de resultados

É importante que o monitoramento e as análises métricas do negócio permaneçam constantes,  mesmo em momentos de estabilidade. Se você em algum momento  pensa que  negócios estáveis não estão sujeitos a uma queda considerável, repense completamente. Tempo de estabilidade também requer vigilância.

As crises, como a que acontece agora, estão vagando por aí, prontas para devorar quem não estiver preparado, pois há muitos fatores que podem impactar os números, muitas vezes não sendo nem mesmo culpa das ações do time de Marketing de uma empresa.

Uma prova disso são os algoritmos do Google e das redes sociais que, estando em constantes alterações, geram impactos consideráveis em qualquer campanha digital que, por serem muitas vezes sensíveis e sutis, passam despercebidas por quem não está atento.  

Outros fatores importantes a serem observados de perto são: 

  • Possíveis quedas no engajamento,
  • ROI (Retorno Sobre o Investimento),
  • Métricas de vendas – Oportunidades, Ticket médio, Ciclo de vendas, MRR (Receita Mensal Recorrente) 

Fixando: O monitoramento nunca pode ser diminuído ou deixado de lado. Muito pelo contrário, torne-o parte da rotina de seu empreendimento.

2. Identidade de marca

Sabemos que uma marca necessita que sua identidade seja muito bem-definidas já  no início de sua trajetória, pois é a partir daí que ela saberá  que será possível atrair o público com potencial de engajamento.

Do contrário, como criar uma base sólida e continuar gerando oportunidades de conversão, além de conseguir mais clientes? Portanto, tão importante quanto criar essa identidade é mantê-la solidamente fiel!

Como a ideia pautada no início desse post, por mais que pareça um erro facilmente evitável, há muitas marcas já consolidadas que fogem do que elas são, na tentativa de se adequar as pautas, estratégias e temas que estão em evidência.

Por exemplo, marcas que nunca foram sustentáveis podem ter problemas ao tentar abraçar essa causa, mas sem conseguir aplicar isso na sua produção, de maneira concreta, podendo passar uma imagem de “puro interesse”.

O recomendado é que, de forma natural, sejam realizadas ações de ajuste, tornando possível reposicionamentos menos “bruscos”. De fato, esse processo pode ser complexo, porém, fugir da identidade pode afastar o público e diminuir a efetividade das estratégias de Marketing utilizadas.

Atenção! 

Esses desvios “bruscos” de identidade da marca podem afastar consumidores, fazendo com que eles sintam que não há mais razões para se manterem engajados.

3. SEO on page

A otimização dos sites (SEO) é uma das partes essenciais  do Marketing Digital, visto que há necessidade das adequações serem feitas para os primeiros resultados do Google.

Para isso, o SEO on page torna-se um trabalho direcionado para páginas, na busca de torná-las totalmente amigáveis e capazes de gerar essa impressão ao Google. Isso envolve um trabalho minucioso e repleto de elementos,  fazendo toda diferença no rankeamento de cada página.

Em resumo, não dá para esquecer de algumas práticas fundamentais de SEO on page, como:

  • otimizar o título dos conteúdos observando se eles aparecem de maneira amigável nos resultados (Title Tag);
  • pensar em títulos interessantes, chamativos e que tenham relação com o conteúdo;
  • desenvolver bem a palavra-chave, aplicando em pontos estratégicos das páginas, como os títulos (H1) e headers/subtítulos (H2, H3 e H4), além de gerar uma boa recorrência, mas de forma natural;
  • usar Meta Description;
  • optar por URLs amigáveis;
  • conteúdo de qualidade e que respeite os títulos;
  • velocidade de carregamento das páginas;
  • responsividade.

 

4. SEO off page

Após cuidar das adequações de cada página com o SEO on page, é hora de desenvolver uma maneira para que os algoritmos e a web possam enxergar com bons olhos OS seus conteúdos.

Assim, podemos dizer que o SEO on page cuida da parte interna das páginas, de dentro pra fora, enquanto o SEO off page cuida da parte externa, de fora para dentro.

O trabalho on page  tem como iniciativa preparar a imagem do site, ou seja, como ele é visto por fora. Esse trabalho deve ser contínuo, obtendo uma a autoridade em seu segmento, garantindo uma boa avaliação. Assim, conseguindo fazer toda diferença para o rankeamento.

Nesse trabalho de SEO off page, as práticas fundamentais são:

  • popularidade, o que é mensurado pela quantidade de backlinks que ela tem;
  • relevância, o que é medida pelo nível de importância dos sites onde os backlinks estão;
  • backlinks em diversos sites externos;
  • respeitar o contexto do site na hora de gerar conteúdos;
  • menções da marca em sites relevantes;
  • conteúdos de bom nível e que geram compartilhamentos;
  • guest posts;
  • buscar backlinks apenas para sites relevantes e confiáveis.

 

5. Atualização  da Persona

Você já parou pra pensar se a persona que sua estratégia digital utiliza tem passado por revisões?

Apesar de não sofrerem alteração com tanta frequência, é sempre possível manter esse tipo de consumidor da sua marca ainda mais presente, de forma fiel. A queda nos resultados ou a estagnação, que podem ser fruto da pouca adequação à persona utilizada pela empresa, nem sempre são parte de reflexão.  

Realizar novas pesquisas e estudos regulares sobre os hábitos, preferências, práticas e dados demográficos do seu público e também dos clientes são alternativas importantes. 

Observe sempre: Outra coisa importante é saber diferenciar se os resultados estagnados são resultado de baixa adequação ou se eles sofreram perdas devido à mudança relativas ao consumidor. 

6. Sites responsivos

Você sabia que, no Brasil, 97% das pessoas que utilizam a  internet navegam usando smartphones? A partir da resposta para essa pergunta, podemos chegar à seguinte conclusão: 

Sites otimizados, direcionados a rodar preferencialmente em dispositivos mobile são um dos aspectos fundamentais do Marketing Digital.

Se isso não acontecer, há a rejeição do público, que pode ser  imediata ou, sendo menos pessimista,  um impacto negativo no engajamento de clientes.

Por isso, toda construção de páginas deve ser feita com olhos direcionados ao conceito de responsividade do Google, ou seja, direcionado à tendência dos buscadores. 

Importante lembrar que isso não é de suma importância apenas para o Google, é claro, mas para a experiência do usuário, que deve ser uma das principais metas do seu empreendimento digital. 

Sabemos que, em um número cada vez maior de usuários do sistema mobile, atender essa demanda para esses dispositivos é fator indiscutível. 

Dicas:

  • A maioria das empresas não realizam estudos aprofundados e contínuos para saber se  se suas páginas possuem adequação completa. Por isso, essa pode ser uma ideia para se lançar à frente, não acha? 
  • Sem que seja percebida, a experiência de navegação em smartphones ou tablets  pode ser afetada. Por isso, manter  uma rotina de verificação e de testes pode garantir essa responsividade sempre presente.  

 

7. Mobile First Index

O crescimento e o impacto do mobile no Marketing Digital mostram um ponto importante que se tornou prioridade no planejamento de estratégias desde 2016, o Mobile First Index.

O tempo passou e nem todo mundo conseguiu se adaptar perfeitamente  à essa ideia, e as consequências disso foram, sobretudo, quedas de rankeamento e tráfego baixo.

A ideia é básica:  a indexação dos sites é feita prioritariamente a partir de sua versão mobile, ou seja, o Google analisa diversos sites e indexa aqueles que já estão preparados para mobile.Ou seja, é praticamente impossível ser relevante e estar em destaque na web atualmente sem um site otimizado para mobile, por isso, proporcionar testes e melhorias constantes para conteúdos cada vez mais adaptados ao mobile se torna fundamental.

8. Otimização de sites e conteúdos

A principal regra envolvendo otimização de sites  são referentes às melhorias, e isso poucos percebem. Otimizar é um dos aspectos fundamentais do Marketing Digital, e realizar essas ações somente quando os resultados estão ruins impede sua estratégia de ter um desempenho concreto, regular e equilibrado. As otimizações devem ser constantes e rotineiras

Caso isso não foi feito, é possível fazer um checklist visando melhorias, adequações e ajustes em sua estratégia.

A otimização deve ser prioridade, mas se você em algum momento deixou de cumprir essa prática, ainda é possível  retomá-la,  garantindo pontos como:

  • sites responsivos;
  • conteúdos responsivos;
  • tudo mobile friendly;
  • acessibilidade digital;
  • conteúdos totalmente adaptados às regras de SEO;
  • segurança para sites;
  • conteúdos de qualidade e autorais;
  • parâmetros de UX.

 

9. Marketing de Conteúdo

Conhecido como Inbound Marketing, o Marketing de Conteúdo é indispensável para qualquer  negócio que busca uma alternativa no mundo digital. 

A proposta de atrair, converter e encantar clientes proposta pelo Inbound é capaz de atrair prospects e conseguir um bom volume de leads que, se nutridos adequadamente, podem se tornar clientes recorrentes e dispostos a gerar mais conversões a cada ação de seu empreendimento.

A grande questão é: como seu time de Marketing tem conduzido a estratégia de conteúdo?

Um bom cronograma, dentro de um calendário editorial, que respeitem um funil de atração são fatores diferenciais fundamentais nessa estratégia. Estar em sintonia com consumidores, nos momentos de tomadas de decisão etc,ou seja,  produzir conteúdos que contemplem todos eles.

Conteúdos bem elaborados, autorais e de qualidade fazem muita diferença, assim como parâmetros de SEO para páginas também impactam a visibilidade dos posts na web. Para mais tráfego, adequações aos motores de busca são necessárias.   

10. Estratégia de conteúdo a partir das intenções de buscas

Quando se fala em conteúdo, é importante também que eles sejam pensados sempre de acordo com a perspectiva do público.

É necessário pensar como determinado público, saber de suas dores, suas dúvidas e interesses para então gerar conteúdo alinhado a esses pontos.

Fazendo isso, as chances de engajamento com os posts e materiais crescem naturalmente, sobretudo quando o público recebe as respostas que lhe satisfaça, com oferecimento de conteúdos enriquecedores, valiosos e diferenciados.

Por isso, um trabalho prévio de entendimento das pesquisas e das tendências faz toda diferença.

 

Finalizando…

Essas foram 10 dicas apresentadas ao longo do conteúdo, criado para refletir e analisar de que forma sua estratégia tem as contemplado.

Sabemos que melhorar, ir a um outro estágio de busca de resultados, querer alavancar o negócio, todos querem.  Esperamos que essas dicas ajudem a entender que deixar de dar foco total para o mais básico pode ser uma má estratégia, e que analisar e seguir essas dicas possa lhe ajudar a construir presença e relevância no mercado digital.

Esses aspectos fundamentais do Marketing Digital devem compor o verdadeiro manual do profissional da área, sendo sempre os primeiros pontos a serem monitorados e analisados durante a rotina. Se há algo de errado com algum deles, dificilmente um hack avançado funcionará.

 

Gostou do post?

Esperamos que o conteúdo tenha relevância para suas pretensões, seja para estudos ou para começar aquela estratégia. E caso tenha sugestões, dúvidas, ou queira ajuda para alavancar seu negócio, estamos à disposição.

 

 

Read More

Comunicação Interna e Cultura Organizacional: Sincronia que gera valor.

A cultura de uma organização  e sua Comunicação interna precisam estar em sincronia, mas como alcançar essa marca?

 

Um dos setores de maior influência e responsabilidade no mundo corporativo é, sem dúvida, o da comunicação interna. E, com a facilidade cada vez mais presente no acesso às novas tecnologias, ter uma cultura organizacional adequada e sincronizada com o cenário passou a ser um desafio, pois as mudanças têm sido cada vez mais frequentes e os mercados cada vez mais competitivos. Esse paradoxo exige não somente um poder de adaptação, mas também o preparo de todos que participam da organização.

Manter uma equipe motivada e engajada tem sido (e dever ser) uma das principais ações da liderança empresarial, pois sabemos que as constantes mudanças nem sempre  são bem-vindas por todos os indivíduos.

Sabemos também que, em determinados momentos, essas mudanças podem causar desgastes nos relacionamentos profissionais, stress, ou mesmo perda de foco e desmotivação.

 

Stress… como assim?

 

Pode-se dizer que as facilidades causadas por essas mudanças  exigem preparo dos colaboradores, tanto na questão prática e operacional quanto no que se diz respeito às expectativas subjetivas. Perguntas têm constantemente vindo à tona, sobretudo por meio daqueles que ainda não têm o preparo necessário que o cenário exige para que essa adaptação seja efetivada da maneira mais prática possível.

De que maneira a comunicação interna interfere na estratégia de uma corporação?

 

Bem sabemos que o ser humano é um ser social, sendo assim, é necessário que todo processo comunicacional dentro de uma corporação se torne o mais natural possível, o que facilitaria a compreensão em mão dupla.

Esse processo engloba interações, trocas e relacionamentos, e é por meio dele que são recebidas, oferecidas e canalizadas as informações, o que influencia diretamente na tomada de decisões.

Sem contar que as ações de comunicação realizadas por uma empresa, quando bem sucedidas, trazem fortes impactos na vida profissional dos colaboradores, podendo ser estendidos além da corporação. Isso traz benefícios à sociedade, aumentando sua identificação e reconhecimento.

Pode-se dizer que a cultura de uma organização, deve automatizada nas emoções, no comportamento e atitude de todos da equipe; fazendo com  que suas raízes e conceitos mais profundos também se destaquem.

Como as novas tecnologias podem ajudar no engajamento dos colaboradores?

 

O mercado atual tem demonstrado que é cada vez mais reduzida a possibilidade de se controlar e obrigar as pessoas a fazerem qualquer outra coisa senão aquilo que elas se sentem motivadas a fazer. E, por mais inovadoras que sejam as ferramentas de comunicação interna, é preciso que elas sejam eficientes e eficazes para o público ao qual é destinado.

Sabemos que, sobretudo nas grandes corporações, há públicos distintos em seu time cooperativo, sendo assim necessário que a comunicação já não seja a mesma para cada um deles, exigindo planejamento onde se tenha como ponto de partida conhecer os públicos que ali se encontram, bem como a maneira como cada um deles deve ser explorado.

Competição e comunicação combinam?

 

O que se sabe é que os seres humanos possuem instintos enraizados, sendo um deles ligado à competição e à sobrevivência; e que, ao longo dos séculos permaneceu, de forma a se adaptarem aos mais diversos contextos.

Na década de 50, o psicólogo norte-americano Abraham H. Maslow descreveu, por meio de sua teoria classificada como Hierarquia das Necessidades ou Pirâmide de Maslow, que os seres vivem em busca de suas satisfações de determinadas necessidades.

De acordo com essa teoria, as necessidades básicas dos indivíduos estão situadas na base da pirâmide, e que quando se sobe na hierarquia, novas pretensões vão sendo almejadas e alimentadas pelos mesmos.

Na comunicação interna de uma empresa, essa teoria se encaixa para destacar que a necessidade de se comunicar passou a ser, além de um fator de sobrevivência, um elevado conceito de misturas englobando competir, jogar, alcançar e pertencer a determinado grupo.

Como isso pode ser explicado?

 

Isso pode ser melhor explicado se levarmos em consideração os novos métodos tecnológicos que podem ajudar as corporações para o envolvimento dos colaboradores em determinados objetivos e alcance de metas, visto que a tecnologia tem criado novas formas de organizar o trabalho por meio do aspecto social que a competitividade engloba.

Um exemplo disso são as tecnologias relacionadas à Gamificação, onde os conceitos de jogos são empregados para maior engajamento dos colaboradores frente às sua atribuições.

Mas, voltando para o assunto comunicação interna, o que se tem de exemplo são os Blogs Corporativos, que possibilitam o compartilhamento rápido das informações, bem como a divulgação de histórias e trajetórias dos colaboradores, por exemplo.

De certa forma, essa alternativa engaja os colaboradores por meio de seu reconhecimento, bem como fazem uso das informações do colaborador como parte necessária, consciente e ativa da empresa.

Esse foi apenas um exemplo de ferramenta que ajuda na comunicação interna de uma corporação para que haja um maior engajamento dos funcionários, visando o aproveitamento do tempo, da energia, aumentando a produtividade de todos os colaboradores de uma corporação.

 

Fique atento!

 

Estar atento às modificações ajuda no processo de atualização das corporações, o que se torna mais viável, devido ao tempo em que se pode levar para que uma mudança na cultura organizacional se consolide, sem falar que esse processo de atualização constante, se efetivo, gera ótimas vantagens competitivas.

E cabe sempre aos responsáveis pela comunicação interna deixar que o processo comunicacional seja claro e transparente para que os colaboradores possam, ao fazer parte dele, ajustá-lo de forma que se aumente as perspectivas e concretização dos objetivos da corporação.

Agradecemos a sua  leitura e desde já adiantamos que nos próximos posts aprofundarmos um pouco mais esse tema para que você possa ficar ainda mais por dentro dos assuntos relacionados a ele.

Aguardem!

 

Read More

Persona V.S. Público Alvo: Entenda de uma vez a diferença e como usar para direcionar suas estratégias de marketing.

Todos os dias novas nomenclaturas surgem dentro do mundo do marketing digital e o que nos resta  é ficar perdido no meio disso tudo! No entanto, pensando pelo lado bom, esses novos nomes, só significam uma coisa: Novas técnicas, novas metodologias e novos métodos para alcançar o seu cliente estão sendo criados a todo momento e quanto mais você se atualiza, mais a frente do seu concorrente você vai ficar!

Seja bem-vindo, caro leitor.

Aposto que você parou neste blog post porque em algum momento de sua busca incansável por conhecimento de marketing tenha se deparado com os termos Persona e Público-alvo e, possivelmente, devido a tantas tentativas de explicações disponíveis, também tenha ficado perdido sem saber a diferença entre os dois, ou como e em que situações usufruir da construção desses dois conceitos.

 

Bom, pode comemorar porque estamos aqui para resolver este problema! Em um post bem objetivo vou te explicar tudo o que você precisa saber para entender as diferenças e, principalmente, aproveitar de todo o potencial que a formação de público alvo e persona pode ter no seu negócio.

E aí, vamos ao que interessa?

O que são, afinal, estes dois conceitos?

Podemos dizer que estamos falando de dois dos conceitos mais importantes no marketing atual, talvez pelo fato dos dois estarem presentes em todas as teorias que estudam os pilares do marketing. Definir o público alvo e a Persona é o primeiro passo para encontrar a estratégia certa para atingir o cliente ideal, com o produto ou serviço ideal e no momento ideal.

Basicamente, eles são uma maneira prática de estudar o mercado consumidor. Estudo esse que deve nortear todas as decisões a partir daí. Veja bem, eu falei deve!

É importante ressaltar este dever, pois muitas empresas acabam não se importando com o passo zero de todo negócio.

Fica esperto:

Se você começou um negócio e ainda não definiu seu público alvo e não pensa em elaborar uma persona, você começou com o pé errado. Mas calma que tudo tem seu tempo, não é? Espero que depois deste post blog, você saia daqui estudando as peculiaridades de seu mercado ideal.
Agora se você leu até aqui e pensa em sair deste post, achando que estudar público alvo e personas é “balela”, posso lhe dizer abertamente que seu negócio está destinado ao fracasso.

Entenda o público alvo, de uma vez!

Quando se fala em Público-alvo, falamos de um conceito que abrange determinado grupo de pessoas a serem alcançadas pela estratégia de um negócio, para levar até esse público seu produto ou serviço. Este grupo de pessoas pode ser segmento por diversos âmbitos:
⦁ Demográfico: Sexo, idade, número de pessoas na família, etc.
⦁ Socioeconômico: Renda, grau de instrução, classe social, etc.
⦁ Comportamental: momento de compra (sazonal ou cotidiano), utilização do que se compra (casual, formal)
⦁ Psicográfico: Valores, desejos, ambições, opiniões, etc.

Aí vai um exemplo de público alvo:

-Mulheres acima de 40 anos ( segmentação demográfica)
-Moradoras de Londres (segmentação demográfica);
– Renda e acima de $ 3000 (segmentação socioeconômica);
-Solteiras independentes (segmentação psicográfica )
-Gostam de roupas requintadas (Segmentação comportamental)

Após esclarecer o conceito de público -alvo, chegou a vez dela… a Persona.

Mas, você sabe o que é uma persona?

Persona é uma figura arquétipa, semi-fictícia, que representa o cliente ideal de uma empresa.
Impulsionadas pelo Inbound Marketing, as Personas ajudam a conhecer a fundo quem é e o que o cliente precisa, de acordo com suas ações comportamentais, por meio de abordagens diretas, como entrevistas feitas pessoalmente, ou mesmo indiretas, por meio de pesquisas.

Saber o que a Persona vê, ouve, sente, faz, bem como quais são suas dores e necessidades, fazem parte desse estudo minucioso em prol do sucesso de uma estratégia de Marketing Digital.

Analisando os dois conceitos, pode-se dizer que as Personas podem ser consideradas um conceito ampliado de Públicos-alvo, frisando de forma cada vez mais rica e detalhada, as informações que direcionarão a estratégia de Marketing de uma empresa.

Quanto mais real for uma Persona, maior a chance de sucesso!

Isso pode ser explicado: Ter um Target elevado, nem sempre é sinal de que uma estratégia possa atingir de forma satisfatória um determinado público, daí a importância de uma maior capacidade de precisão, a qual somente a criação de uma Persona pode revelar, inclusive, reconhecendo outras novas oportunidades dentro desse mesmo público.

Exemplo de Persona:

-Mary
-43 anos
– Gosta de Viajar
– Se considera na “melhor idade”
– Entrou recentemente num site de relacionamentos
-Quer renovar o guarda-roupas

E aí, gostou do post?

A Skill Marketing agradece sua leitura e se coloca à disposição de sua empresa para dar início àquela estratégia e ajudá-lo a alcançar seu objetivo.

 

Read More

O nosso primeiro blog post!

Sejam bem-vindos ao blog da Skill. Este é o primeiro post de muitos que você vai encontrar por aqui, portanto, decidimos que nosso primeiríssimo seria voltado para explicar o porque estamos começando este projeto e o que você pode esperar dos nossos conteúdos. Meu nome é Sirly Henrique, estranho né? Mas vocês acostumam…. Como CEO achei minha responsabilidade dar o pontapé inicial no blog. Vamos ao que interessa?

Durante meses trabalhamos em nosso novo site e, pronto, ai está! O site dos sonhos com o blog dos sonhos. Finalmente agora podemos compartilhar conteúdos, notícias e pesquisas em que nossas equipes estarão trabalhando. Além disso, blogar é uma ótima maneira de aumentar nossas Skills em storytelling. Nunca ouviu falar disso? Calma, a gente explica: Storytelling basicamente é a capacidade de contar narrativas e histórias relevantes. Legal né? Depois conta pra gente se estamos indo bem.

Para quem ainda não conhece a Skill, somos uma empresa de marketing localizada na região do triângulo mineiro. Calma, não é o que você está pensando: “Mais uma empresa de marketing querendo apostar em marketing de conteúdo”. Sim, estamos apostando em marketing de conteúdo para alcançar mais pessoas e empresas que necessitam do nosso modo de trabalho. Porém, não somos mais uma! Temos uma proposta diferente de muitas agências existentes no mercado.

Quem somos?

Acredito que o objetivo organizacional que deixa mais claro o nosso diferencial é a missão, vamos dar uma olhada:

Alavancar os mais diversos tipos de negócios, oferecendo marketing criativo, inovador e principalmente, com projetos que geram resultados.

Já parou para pensar que parar alavancar tipos de negócios muita das vezes nos deparamos com clientes com um budget relativamente baixo. Um fato que é considerado motivo de não adequação ao fit por muitas agências, fazendo com que este tipo de cliente, mesmo tendo um grande potencial seja jogado às traças. Mas para nós, são apenas clientes que precisam de campanhas extremamente otimizadas, buscando resultados expressivos com pouco investimento, pelo menos até ajudarmos ele a crescer. Muitos profissionais de marketing devem estar lendo, balançando a cabeça e dizendo: “Cara, isso não é possível”. Realmente, não foi fácil! Isso só acontece, hoje, pois desde o começo minha maior preocupação era a operação. Otimizamos nosso processo criativo, padronizamos nosso atendimento e ainda sim, investimos em melhoria contínua como uma fábrica da Toyota. A falta disso sempre me incomodou nas agências onde trabalhei durante minha faculdade de Engenharia de Produção e, por isso, resolvi trilhar um caminho diferente dos meus colegas de turma. Hoje, a Skill já conta com 03 engenheiros de produção recém-formados.

 

Talvez, também, por isso alguns de nossos conteúdos poderão diferentes e muita das vezes, únicos. Confira abaixo alguns assuntos que planejamos discutir por aqui.

 

Marketing e Produção;

Muita gente não tem essa visão. Marketing e produção são duas áreas do mundo corporativo que estão totalmente ligadas, afinal, você não tem o que produzir se não tem ninguém para comprar e se você não se relaciona com a sociedade como empresa você não vende. Pensando nisso tudo, vamos trazer conteúdos como:

 

– gestão da cadeia de suprimentos;

 

– previsões de demandas e campanhas de marketing;

 

– marketing e sua relação com a logística.

 

 

Modelos de negócio;

Somos apaixonados por negócios e como eles acontecem. Por isso, não falar disso em nosso blog seria como entregar doce para uma criança e não deixar ela comer. Sei disso porque no dia a dia ficamos muito tempo conversando sobre o brilhantismo de market places e outros assuntos que nos encantam. Este são conteúdos que possivelmente iremos tratar:

 

– Ferramentas para a montagem de modelos de negócios;

 

– Dicas para estudar a viabilidade de suas estratégias;

 

– Conteúdos sobre gestão e carreiras.

 

 

Estratégias de Marketing;

Claro, como agência de marketing não poderia faltar, né? Somos especialistas nisso e vamos compilar as principais dicas para sua empresa começar a fazer boas campanhas de marketing tanto em mídias tradicionais, como no digital. Dá uma olhada ai:

– Dicas de como planejar seu orçamento em marketing;

– Como começar a investir em marketing digital;

– Detalhes técnicos dos canais de comunicação e como trabalhar com eles;

Notícias do nosso mundo.

Manter nossa audiência atualizada com as principais notícias do mundo da tecnologia e do marketing é primordial. Pensando nisso, vamos ficar de olho para não perder nenhuma e te contar tudo antes de todo mundo!

E aí, o que achou? Esperamos te ver muito por aqui! Embarque neste projeto com a gente e cadastre-se para receber nossos conteúdos e fazer considerações que vão agregar no aprendizado de todos.

Read More